quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Floripa: praias para todos os gostos!

Tenho a sorte de morar nesta ilha maravilhosa, com 42 praias e duas belas lagoas. Praias para todos os gosto, diferentes por sua natureza e pelo estilo dos freqüentadores. Pela diversidade natural, temos praias com ondas, baias, água gelada, morna, correnteza, dunas, areia branquinha e fina, areia grossa, com vento sul ou com vento nordeste.
De acordo com o estilo dos freqüentadores, temos praias mais familiares, as dos pescadores, as dos surfistas, dos nudistas, as praias da moda, com balada, tatuados, patricinhas, da turma do frescoball ou a do Futevolei. Sem esquecer, da turma GLS, uma grande fonte de turistas e sempre possui seus points nas praias.
A praia é um ambiente democrático, você pode ver todas as tribos juntas, com pouca roupa, malucos belezas na sombra com seus violões, ou moderninhos de ipod e caixas da Booze tomando um Espumante, a gordinha assanhada e a magricela de Bata, e claro as gatas que nem piscam.
Sites e blogs de Viajantes que visitam Florianópolis, muitas vezes em menos de uma semana fazem coisas nesta ilha, que desconhecemos que existem, ou que muitas vezes esquecemos da sua existência. Porém, viver onde os outros passam férias, às vezes é cheio de desvantagens, começando pelo trânsito que fica um caos, falta de estacionamento, e aquela sombra onde você estaciona seu carro na praia não é mais sua. Praias lotadas, onde nem um local para cadeiras e guarda-sol é possível.

Problema grave é o lixo e a sujeira jogados pela cidade e praias. Sim, apesar de estarem de férias e visitando a cidade dos outros, os turistas adoram deixar suas marcas nas praias da ilha, deixando todo o tipo de sujeira nas areias e no mar. Este ano a prefeitura colocou muitas lixeiras na maioria das praias. Será que custa levar o lixo embora?
Curioso é que neste paraíso dos turistas, nós Manezinhos da ilha, temos o hábito de ficar sempre na mesma praia, com pequenas alterações de rotina. Acredito que a maioria das pessoas que vivam em Florianópolis, não visitem ou tomem banho de mar em mais de duas praias ao ano. Sim de 42 praias, o aproveitamento médio não deva passar de 5%. Alegação geral, é que só vão nas que possuem casa de praia. Muitos também alegam as filas, e falta estrutura.

Então, Turistas ou Manezinhos, quais praias nesta Ilha maravilhosa você tem freqüentado ou visitado?

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Bate Volta ao Yosemite - Não repitam

Vou relatar uma das maiores besteira  da minha vida de viajante, um bate volta ao Yosemite, resumo fomos ao parque sem reserva de hotel, a grande roubada.

O Yosemite é um dos primeiros Parques Nacionais de Natureza Selvagem dos Estados Unidos. Localizado no Nordeste da Califórnia. Uma região abençoados por Deus, com muitas riquezas e belezas Naturais. Região de grandes vales, rochas gigantescas, cachoeiras, lagoas, sequóias e riquíssimo em vida selvagem. Um destino belíssimo e de grande importância nos Estados Unidos, eles são orgulhosos por este parque, e com razão.
Saímos de San Francisco cedo, rumo ao Yosemite. Nos preparamos no dia anterior, comprando água, refrigerante e todas as besteiras possíveis para irmos beliscando no carro durante o trajeto. Seriam aproximadamente 200 milhas, por estradas secundárias, tortuosas e de baixa velocidade. Nosso roteiro e mapa completo no fim do post.
Após sair da região urbana de San Francisco, trafegamos por uma bela paisagem rural, com muitas plantações de frutas e verduras. Fizemos uma parada numa barraca de estrada e compramos uvas deliciosas. Continuando, passamos por vários tipos de paisagens, como rios e represas, e fizemos paradas para curtir o visual e fazer umas fotografias. Esta represa que leva a água para irrigar as plantações, da passagem anterior.
Sempre nas viagens eu e a Juliana, revezamos na direção e nos mapas (não pegamos GPS na época). Num dos trechos mais sinistros de subida, com desfiladeiros ao lado, a Juliana estava dirigindo, e ficou apavorada, parou o carro na pista e mandou eu voltar ao volante, que ela apavorou.
Alguns pontos da estradas avistamos alguns animais como veados, a atenção deve ser redobrada para evitar acidentes.

Passamos também por uma pequena cidade encravada no meio da montanha, total Faroeste. Ficamos imaginando como deveria ser a vida lá no inverno.
Chegamos ao Yosemite, já cansados de tanta estrada depois de 4 horas de viagem. Na entrada, como um pedágio, você compra o ingresso, com direito a entrar na região do parque por até 7 dias. Detalhe importante pois muitas hospedagem ficam fora dos limites do Parque, e esta possibilidade de retorno é muito utilizada.

Junto recebemos um dois folhetos, um com o mapa dos principais pontos de visitação, trilhas abertas e dificuldades, local dos banheiros, áreas de camping e para picnik. Outro folheto muito legal, trazia as informações, orientações e os cuidados que se deve ter no parque. Como não alimentar os animais, muito cuidado com os Ursos, carregar seu lixo e os locais para descartá-los.
Com está informações em mãos, seguimos ao interior do Yosemite.
Nossa visita foi em setembro, o parque está belíssimos, mas um pequeno detalhe que pode ser notado era que nesta época, chove menos e já fazia muito tempo do degelo, por isso as cachoeiras estão quase vazias, com pouco volume de água, bem fraquinhas.

Após algumas paradas e fotos, fomos ao centro do parque. Lá existe um centro de Conveniência, fizemos algumas compras, e procuramos uma área para um picnik.
Um fato bem bacana, era este corvo, ficou o tempo todo nos cercando, quando fazíamos nosso lanche. Seguindo as orientações o corvo só observou, e não levou nenhuma sobrinha.



Nesta parada, e após o picnik, aproveitamos a sombra e demos uma descansada.
Neste ponto tinha uma pequena trilha, bem tranqüila, por uma região repleta de sequóias e outros pinheiros enormes.











O Hotel The Ahwahnee é uma visita obrigatória . Hotel histórico, feito com pedras e madeira da região, construído na década de 1920. O hotel já hospedou vários presidentes Americanos. Site Oficial do hotel aqui.

Sugiro aproveitar a visita, e tomar um drink no bar ou almoçar no agradável restaurante. Somente tomamos um café para reanimar.
Com certeza as grande besteira foram:
- Irmos ao Yosemite, sem reserva de hotel no Parque ou próximo a ele. Imaginando que conseguiria um local de hospedagem com facilidade na região.
- Imaginar que estas 200 milhas até o parque seriam feitas facilmente. Realmente #FAIL total.

Então após uma manhã inteira no carro, e sem conseguirmos algum lugar para nos hospedarmos, decidimos seguir viagem.

Nosso próximo passo programado, adiantando um dia, era seguir para Monterey, no litoral e mais 160 milhas.

A primeira parte do caminho dentro do parque em estradas estreitas, cercado por um rio e pontes estreitas, que passava um carro por vez. Após sair do parque, em estradas secundárias, com pouco movimento e bem sinalizadas.
Imaginem agora depois de percorrer 390 milhas, aproximadamente 630Km , ficarmos 8 horas dentro de um carro, como estava o humor do casal. Se alguém acendesse um fósforo explodia.
Então por favor, nunca planejar uma visita ao Belíssimo Parque Yosemite sem reservar a estadia mínima de uma noite na região. Imaginem o escurecer e o amanhecer nestas paisagens.

Única certeza que tenho que voltarei ao Yosemite, com reserva de hospedagem e de preferencia no The Ahwahnee.

Site oficial do Yosemite:
http://www.nps.gov/yose

Vai ao Yosemite, visitem os excelente Relatos no Mauoscar:
www.mauoscar.com

Está ou vai para Califórnia, vejam os outros pontos que vistamos:
www.viajarepensar.blogspot.com/Califórnia

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Taberna Maceiras - Dica para tapear em Madrid


Taberna Maceiras, dica para quem vai à Madrid, procura um ambiente legal, com uma verdadeira culinária típica, e melhor ainda, com valores honestos. Conhecemos o Maceiras, pela dica da Claudia (@aviagemcerta), do excelente www.aviagemcerta.com.br .


O restaurante fica na Calle Huerta, a rua que inicia na Plaza del Ángel até o Paseo del Prado (mapa), também conhecida como a "Rua dos Poetas". Nesta rua, existem vários versos e passagens de escritores Espanhóis gravados no piso.
A região é repleta de restaurantes, bares, pubs e boates, com uma ampla circulação de turistas e locais à noite. Uma região bastante segura.







No Maceiras, você encontra clima e ambiente de taberna, muito descontraído e bem informal. Local cheio de madrilenhos e turistas, todos falando alto, bebericando e gesticulando, realmente muito animado, típico dos bares e casas de tapas de Madrid. Chegamos para o jantar sem reserva feita, e aguardamos aproximadamente 15 minutos por uma mesa, mas quem tinha reserva nos passava à frente.
No início o atendimento foi meio rude, mas depois você entra no clima, e compreende o jeito do lugar, com muitas mesas e diferentes línguas ao mesmo tempo.
Outra curiosidade da casa foi quando chegou o vinho, que a garçonete o arremessou à mesa, sem taças ou copos, mas delicadamente depois de um tempo, ela apontou para estes potinhos brancos (foto). Super estranho, mas o vinho e o ambiente compensaram.

O restaurante é de comida Galega, com variadas tapas e aperitivos de frutos dos Mar. O prato famosos da casa é o Pulpo a la Gallega, um polvo em lascas assado e servido num molho com laranjas, delicioso. Um prato a ser apreciado.




Outro prato que tapeamos, foi Setas com Bacon, setas são cogumelos passados na manteiga com Bacon, que acompanhavam um delicioso pão.






Certo momento, apagaram as luzes, tocaram uma música de ritual, todos bateram palmas e então um show aconteceu. Uma funcionária fez uma sangria incandescente de maças e ervas, com as chamas escorrendo por conchas. Muito legal! Mas o produto em si, de gosto duvidoso. Valeu pelo show!




Uma boa sugestão é ir almoçar no Maceiras, que também possue opções de pratos e não somente as tapas.

Maceiras
Calle Huerta, n. 66 esquina com Calle Jesus +34 914 29 58 18

Está em Madrid, gostou das Tapas, outra dica:
# La Bardemcilla - As famosas Croquetas de Jámon-Jámon da Família do Javier Bardem

Não sabe aonde se hospedar em Madrid?
# Room Mate Alicia - Nossa Sugestão