sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Dicas de Buenos Aires - Opções Gastronômicas

Uma das melhores coisas para se fazer em Buenos Aires, é cair no pecado da Gula, comer e beber é um dos grandes programas na capital Portenha. Você encontra desde tradicionais casas de carnes ou parrilla, boas cantinas, cafeterias e outras surpresas da gastronomia Internacional. Uma boa dica para quem vai a Buenos Aires, é sempre consultar o Guia Óleo, o guia online dos serviços e restaurantes em Buenos Aires.

Puerto Madero, o elegante porto transformado em point da moda em Buenos Aires, com restaurantes e bares, possui várias opções e talvez as mais comentadas e citadas nos guias. Os já tradicionais de Puerto Madero são o Siga la Vaca ou o famoso Cabaña de Las Lilas ( do grupo Rubayat), ambos excelentes e bastante concorridos.
Para variarmos e porque havía muita espera para ir no Las Lilas, fomos no restaurante ao lado, que se chama Happening (mapa), possui um serviço de primeira, uma salão amplo e chic. Um cardápio típico portenho, com muitas opções de Parrilla e massas. Todos os pratos bem servidos, uma carta de vinho repleta de vinhos Argentinos. Estávamos em três casais e o Guilherme (meu irmão). O couvert de entrada é bastante legal para acompanhar os vinhos, e o prato principal me deliciei com uma Costela de Cordeiro ao molho de mel, que estava show de bola, o Gui e a Ju foram de Ojo de Bife, que estavam excelente. Lembro sempre que as carnes servidas na Argentina, são praticamente sem sal, e geralmente sem os nossos tradicionais acompanhamentos de churrasco, como farrofa e maionese. Se você quiser peça a parte, uma maionese é a Salada Russa, e as saladas verdes se resumem geralmente a tomate e alface. Como já fui ao Las Lilas, posso citar que a Happenig não possui a fama do vizinho, porém não faz feio, e com uma Cuenta menos dolorida.


Guilherme, eu e a Ju no Happening

Minha Costelinha de Cordeiro
Talvez a noite mais esperada desta ida a Buenos Aires, era a visita ao restaurante Sucre , em Belgrano, um bairro muito belo, e para quem fica na região central é um pouco mais afastado do centro, depois de Palermo (mapa). Como recomendação fiz uma reserva neste restaurante préviamente aqui do Brasil, uma semana antes, vimos algumas pesssoas indo embora por estarem sem reserva.
Ao chegarmos é um ambiente transado, super cool, com uma passarela de garrafas no segundo piso que leva ao banheiro. Aguardamos um pouco no balcão do bar para sentirmos o clima.

Bar do Sucre
A famosa Passarela

Como estavamos em um grupo maior nesta noite, foi nos oferecido uma mesa de espera, enquanto esperavamos os outros casais, e podermos pedir alguma entrada. Pedimos um marinado de Salmão, que recomendo, além do couvert tradicional. A carta de vinhos do Sucre é procurar vinho num guia de vinhos da Argentina, vem um livro com várias opções, separado por uvas, região ou bodegas. Você encontrará vinho para todos os gostos e bolsos com certeza.


Mesinha de espera, junto com meu Pai.

Quando todos chegaram, fomos colocados numa mesa de frente para a cozinha, ou a orquestra da casa, porque é um show. A cozinha é aberta para o salão, você fica observando os pratos sendo feitos, havia um leitão inteiro sendo assado num rolete, assim a noite rende, fomos degustando os vinhos e entradas. O cardápio é bastante variada, e com muitas opções. Como estávamos em muitos e foram várias Botilhas de vinho, posso dizer que a maioria foi bem servida e saiu satisfeito com o Sucre.

Mesa na cara do Gol

A cozinha do Sucre

Leitão sendo assado

Uma cantina tradicional em Buenos Aires, é o Broccolino, bastante próximo a Galeria Pacifico na Calle Esmeralda com a Avenida Córdoba (mapa), você esta numa autêntica Cantina Italiana, com os mais típicos pratos da vera cocina Italiana, tudo com muito sabor e bem servidos, e sendo uma cantina, não podia faltar o barulho e garçons atrapalhados, mais faz parte. Minha sugestão são as pasta, onde você escolhe a pasta e os molhos, eles também servem belas saladas e pizzas também, além do pãezinhos de entrada que são um espetáculo. Deu saudades. Eles possuem uma carta de vinho mais simples (para o padrão Buenos Aires), porém bastante honesta.

Família reunida no Broccolino

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Day Tour ao Napa Valley


Napa Valley, uma das principais regiões produtoras de vinhos do mundo, ganhou notoriedade com o Julgamento de Paris, a famosa degustação em que os vinhos californianos derrotaram os grandes Bordeaux, em 1976. Ao longo da bela Highway 29, você passeia rodeado ininterruptamente de vinhedos e vinícolas, em muitas existem degustações gratuítas, ou tour pagos, onde você pode degustar os principais vinhos da região.
O Napa Valley esta ao norte da Califórnia, aproximadamente 80km de San Francisco, cruzamos a ponte Golden Gate e seguimos pela Highway 101 (mapa). Como saímos cedo do hotel, tomamos um American Breakfast do McDonald's, após a saída para Sausalito, o que parece um heresia, foi a melhor pedida antes do tour etílico que viria.

Golden Gate

Café reforçado no Mc Donald's

Após o breakfast reforçado saímos da US 101 e entramos na US 121, e nossa primeira parada foi em Domaine Carneiros, para uma visita a Taittinger, que construiu um belíssimo Chateau ao melhor estilho francês. Está região possui um terroir ideal para o cultivo de Pinot Noir e Chardonnay, onde a Taittinger, famosa produtora de Champagne, escolheu para produzir excelentes espumantes. Fizemos o tour guiado, conhecendo toda história, da vinícola além de uma degustação de seus espumantes e tintos de Pinot Noir, praticamente uma mistura de Borgonha com Champagne num único local.

Chateau da Taittinger no Napa Valley

Seguimos pela US 121 até o encontro com a famosa Highway 29 (mapa), a estrada dos vinhos, você se questiona se está realmente nos Estados Unidos, um belo campo com vinhas e mais vinhas por todos os lados, como estava em setembro as parreiras estavam repletas de frutos e era uma imagem lindíssima. Nossa primeira parada foi numa das mais famosas vinícola dos Estados Unidos ou do mundo a Opus One, que reune o novo mundo com Robert Mondavi e o velho mundo com o Barão Philippine de Rothschild. Uma bela obra arquitetônica recepciona você e ao redor estavam as parreiras que produzem de seu emblemático Opus One, e um segundo vinho o Overture.
Opus One Winery

Ferramentas da Opus One

Nossa segunda parada na Highway 29 foi no Beaulieu Vineyard, conhecida com BV, que produz emblemáticos vinhos de Cabernet Sauvignon. Nesta parada tivemos aquele momento inusitado, onde a senhora que nos atendia largou a pérola eu adoro os Tangos do Brasil, mais fazer o que né, sempre alguém tem que nos lembra que estamos nos Estados Unidos. Degustamos um rosé bem legal.

Cabernet da BV

Nem tudo é vinho e vinhas

Seguindo pela 29, em sentido norte (mapa), visitamos uma atração do Napa Valley, que não possui correlação com os vinhos, conhecemos um geiser (uma nascente termal que entra em erupção periodicamente, lançando uma coluna de água quente e vapor para o ar), o Old Faithful Geyser, que lembrou os desenhos do Zé Colméia.

Old Faithful Geyser

Retornamos agora pela mesma Highway 29 , para nossa última visita do dia, fomos ao famoso Robert Mondavi Winery, sua visitação é bastante interessante, por reunir um mix de arte e vinhos, por todos lados esculturas, vinhedos e uma bela obra arquitetônica que abriga museu, loja, salas de degustação, adegas, tudo organizado e belíssimo.
Os vinhos do Robert Mondavi, você pode degustá-los por categorias e quantidade, e em todas as categorias você ganha uma taça deles de brinde, e escolhe quantos vai beber ou se serão reservas especiais. Não esqueça de degustar o Fume Blanc, esta uva é uma criação do próprio Mondavi, é um dos brancos californianos mais interessante.

Robert Mondavi Winery
Arte e Vinhedos
Depois de tanto vinho não podia acabar bem.

Como estamos nos Estados Unidos o paraíso do consumo, nesta mesma Highway 29, o paraíso dos vinhos, existe um Outlet, o Napa Premium Outlet, e como a Juliana não pode ver um sem parar, fizemos uma parada para as compras, já que ela estava o dia inteiro me acompanhando nos vinhos, casamento é assim.
Para retornarmos à San Francisco resolvemos fazer a volta por outro caminho, retornamos pela Highway 29 até o encontro da I-80, para cruzamos a Bay Brigde (mapa) , que é a outra ponte sobre a baia de San Francisco, unindo Oakland a San Francisco.


Bay Brigde

Para fechar este dia maravilhoso tivemos a sorte de pegar um pôr do sol inacreditável sobre San Francisco ao passarmos sobre a Bay Bridge.

Pôr do Sol sobre San Francisco

Vai pra Califa outras dicas:

terça-feira, 1 de setembro de 2009

blogblogs

BlogBlogs.Com.Br